quinta-feira, 25 de maio de 2017

4º Lugar no nacional



Balanço da Participação nos nacionais de voleibol da nossa equipa juvenil masculina. Depois da festa pela conquista do título regional, recebemos esta participação nas finais nacionais como um bónus, deixando no entanto a garantia, de que iríamos tentar chegar o mais longe possível na competição. O mais longe que chegámos foi ao 4º lugar entre 6 equipas presentes. Ficou um sabor algo agridoce por não termos conseguido ter chegado ao pódio, sobretudo por termos estado tão perto. Mas o "quase" por vezes é ingrato. Jogo marcante com a escola Latino Coelho (Lamego) nas meias finais de ontem, campeã do ano passado, com uma luta titânica da rapaziada que acreditou num acesso à final, terminando o último set num "quase" 24-26. A emoção invadiu no final o grupo, pela noção de que tinham feito o trabalho de manga bem arregaçada (técnica, física e volitiva) e de que a porta de entrada na final estava mesmo ali, ou "quase" ali. No Jogo de hoje para atribuição do 3º e 4º lugar, refletiu-se essa frustração nos momentos iniciais dos 2 sets disputados contra uma equipa de Moura bem preparada (juvenis do federado) e que voltaram a terminar perto, muito perto espelhado nos 2 sets a 23-25 e 24-26. Mais uma vez "quase" lá, mas não lá. Somos a 4ª melhor equipa nacional do desporto escolar, mas queremos ser mais. Queremos apagar esse "quase" e chegar "mesmo" lá, sabendo que será um caminho muito difícil e trabalhoso para todos. 
Uma palavra especial ao Zé Oliveira, por ter participado com a sua experiência, humildade, empenhamento e paixão nesta 1ª aventura dos mais novos no escalão de juvenis. O seu contributo foi decisivo para as conquistas deste ano e os mais novos gostariam de ter brindado a sua despedida do voleibol de Alcanena, com mais uma conquista neste nacional (a emoção de todo o grupo no final da derrota nas meias-finais espelha esse sentimento). O Zé foi um jogador marcante nesta escola pelas conquistas ímpares que conseguiu (3 vitórias em finais regionais, 4 participações em finais nacionais, 3º lugar nos nacionais de há 2 anos, campeão nacional de Giravolei). Deixa um legado no voleibol da ESA e uma referência para que os que se lhe seguem consigam chegar "também" lá. O Zé continuará decerto o seu percurso no universo federado e todo o grupo estará a fazer força por ele nas novas aventuras voleibolísticas.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Campeões Regionais 2017


Estipulámos 4 objectivos para esta época. Vencer o distrital, vencer o pré-regional, vencer o regional e conseguirmos o apuramento para o nacional. Conseguimos concretizar estes objectivos de forma plena e sequencial. Tudo confluiu para que o puzzle fosse construido e as peças encaixadas no sítio correcto. Nem sempre conseguimos essa proeza, nem sempre conseguiremos essa proeza, mesmo quando por detrás existe muito trabalho.  Uma certeza existirá decerto: as hipóteses de novas vitórias serão maiores se sustentadas por muito trabalho e luta, mas nunca serão garantidas. A vitória neste regional assentou em 3 pilares fundamentais: a paixão pelo jogo; o treino para melhorar o jogo; a luta para vencer o jogo. Vencemos o regional porque lutámos e trabalhámos muito dentro do campo  e fora do campo. Com condições de treino que não seriam à partida as ideais (limitadas por constrangimentos horários conhecidos), conseguimos colmatar lacunas de volume de treino conjunto, com qualidade de treino e com jogos de treino de qualidade e... quantidade (cerca de 20 jogos de treino realizados). 
A chegada ao regional foi suada e difícil, mas responderam à altura. A disputa do regional foi suada e difícil e ...responderam à altura. Tiveram atitude  dentro do campo e acreditaram sempre poderem ganhar a quem estava do outro lado da rede. 
O torneio de Esmoriz  deu-nos algumas  coisas importantes e entrou no momento certo: confronto com equipas de topo; luta com equipas de topo; derrotas com equipas de topo; disputas com equipas de topo.  Deu-nos sobretudo a ideia que, apesar de lacunas técnicas e falta de competição semanal, conseguimos jogar contra jogadores com muito mais tempo de formação técnica e física. Porque falar do TIVE agora? porque nos deu humildade com as inúmeras derrotas sofridas, e nos deu  confiança com as intensas batalhas que disputámos. 
Esta equipa venceu o regional porque tem memória. Memória do treino, dos jogos e torneios disputados, dos erros, do desenvolvimento, da crítica, das derrotas, das vitórias. A equipa ganhou porque  acreditou que poderia ganhar. Teve, naquele momento, a atitude e as ferramentas necessárias  para ganhar.
Uma palavra final para o Zé que, no seu último ano como jogador da ESA,  conseguiu o feito do  3º Regional ganho, definindo junto dos mais novos uma meta difícil (mas possível) de alcançar e ultrapassar. O Zé teve um papel decisivo nesta vitória pela  experiência de jogo, pela  capacidade técnica ofensiva, pela competitividade, pela postura de humildade e integração no seio do grupo dos "miúdos". A equipa ganhou claramente com a sua presença e com a referência que deixa enquanto jogador de voleibol neste contexto escolar.   Caberá aos mais novos utilizar essa referência e continuar a escrever a história desta equipa nos anos que se seguirão.
Por fim,  ganhámos  o acesso ao nacional.  Será mais um prémio extra a usufruir  o melhor possível, na certeza de que disputaremos todos os jogos e, que as equipas que encontrarmos, terão de jogar melhor do que nós para nos ganharem...  Este grupo merece  saborear este bónus da melhor forma possível. EEEESA!!!!


1º e 2º lugar 

sábado, 6 de maio de 2017

Vitória no Pré-regional disputdo em Torres Vedras

Juvenis do AE Alcanena disputaram o Pré-regional de Voleibol masculinos e Femininos, realizado em Torres Vedras no dia 26 de Abril com as duas melhores equipas do Oeste para tentar uma presença na fase final regional a ter lugar em Sesimbra no dia 6 de Maio.
A nossa equipa 3 suadas vitórias nos 3 jogos disputados, conseguindo assim o tão desejado 1º lugar e o consequente apuramento para a fase final regional. Vitórias contra ES Raúl Proença (Caldas da Raínha) 2-1; ES Henriques Nogueira (Torres Vedras) 3-0; ES Benavente (3-0).  De realçar que nos batemos contra duas equipas maioritariamente federadas. A Escola Raul Proença tinha 5 atletas que treinam e jogam na equipa juvenil  do Sporting das Caldas e a Escola Henriques Nogueira composta maioritariamente pelos atletas da equipa junior do Sporting de Torres Vedras. Conseguimos assim o desejado passaporte para a final do regional onde defrontaremos  as equipas vencedoras das regiões de Lisboa, Sintra, Cascais de Setúbal . Avizinha-se um dia de muita competitividade onde a nossa rapaziada entrará decerto de mangas arregaçadas.
 Foto de Voleibol AE Alcanena.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Balanço da participação no Torneio Internacional de Voleibol de Esmoriz (TIVE)


Procurávamos no TIVE  competição com algumas das melhores equipas do país no nosso escalão (Cadetes/Juvenis).   E encontrámos.  Em 5 dias realizámos 10 jogos, o equivalente a 2 meses e meio de competição federada, mas de forma compactada.  Pretendíamos testar a equipa base que disputará o pré-regional em situação de stress competitivo e a coisa correu bem...quer em termos de capacidade de lidar com o stress (o prof geronte já não aguenta muita da emoção proporcionada) quer na gestão técnica e táctica da competição. O torneio teve um equilíbrio extremo, em que qualquer das equipas poderia chegar ao pódio. A título de exemplo, o primeiro jogo que disputámos, vencemos (por 2-0) contra a Académica de Espinho, equipa que viria a vencer o grupo de 5(com a única derrota contra nós) e que no final do torneio ficou em 4º lugar. A equipa de Esmoriz que foi à final e ficou em 2º lugar, venceu-nos apenas no desempate do 3º set. A disputa do 3º set (não obrigatório) aconteceu em quase todos os jogos que disputámos (excepção feita para os jogos do benfica A e o 2º feito contra a equipa B).  Saímos com 4 vitórias em jogos e só foi pena não termos conseguido em alguns jogos termos virado a contenda a nosso favor (exemplos mais notórios dos 2 jogos contra Sporting de Espinho em que terminámos o 3º set sempre separados por 2 pontos). 
Referência também para os 2 jogos do último dia, sem a presença em campo do Zé, dando para atestar como a equipa se aguentava sem o potencial ofensivo oferecido por este jogador. E a equipa aguentou-se bem; levou o jogo contra o sporting de espinho novamente para o 3º set e revelou uma capacidade defensiva ainda mais focada. Estamos no caminho...
Ilações técnicas gerais a retirar do torneio: Necessidade de um grande investimento  no serviço flutuante em treino, para melhoria da recepção desse serviço em treino e em jogo. Não foi em vão que a equipa do benfica A foi aquela que nos criou mais dificuldades em jogar, por terem apresentado o serviço mais agressivo.  Necessidade também de aumentarmos ainda mais a "martelada" do ataque para que, perante equipas que defendam bem (o caso da maioria das que encontrámos), consigamos de forma mais rápida colocar a bola no chão. À parte disso, saímos com a sensação de que, com a desvantagem em termos da idade de iniciação da modalidade (competimos com malta que joga desde os 6 anos de idade), e das diferenças técnicas que daí advêm, conseguimos jogar contra eles de igual para igual.
Aos jogadores que foram menos utilizados neste torneio, uma palavra de incentivo para continuarem a treinar no sentido de se conseguirem aproximar do nível técnico dos restantes elementos equipa e entrarem de forma progressiva na equipa sem hipotecar o seu nível competitivo. O equilíbrio competitivo deste torneio, não deu grande margem para a sua utilização. 
Depois desta intensa competição, estamos prontos a encarar o pré-regional com um optimismo acrescido, sabendo que teremos de jogar no nosso melhor nível para  conseguirmos superar mais este objectivo.
Última palavra para o Miguel Malaca pela contribuição fundamental em termos de enquadramento logístico e técnico que tem neste grupo.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Torneio de Carnaval no Freigil


Depois de, na semana passada, a malta mais nova da equipa ter ido jogar ao Caneiro, desta vez fomos  disputar 2 jogos com a equipa de Cadetes do Freigil. Pretendia-se aferir o nível da nossa equipa perante  uma equipa que muito provavelmente entrará no pódio final do campeonato nacional. A nossa equipa saiu derrotada nos dois jogos, no entanto conseguimos jogar... Existe uma diferença clara em termos  técnicos, no entanto, com excepção do 1º set do 1º jogo e do último  set do 2º jogo, conseguimos equilibrar a contenda (vencemos um set e tivemos encostados nos outros) . Foram jogos riquíssimos para voltarmos a Alcanena com vontade de treinar mais, para podermos reduzir mais essa diferença, conscientes, de que as condições temporais/horárias da nossa realidade desportiva escolar se encontra ainda longe das utilizadas por estas equipas. Haja vontade para intensificarmos a "remadela" nas horas possíveis.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

2ª concentração campeonato distrital


Jogo em casa contra duas equipas juniores. A da ESA e a Ginestal Machado de Santarém. Uma concentração algo atípica em termos competitivos. Algumas alterações ao programa inicialmente estipulado que não desculpam a imagem de uma equipa ... mortiça...deixada em campo.  Uma atitude de desleixo em vários momentos do jogo (basta atentar à posição base de espera da bola), incompreensível  para quem devia exultar de alegria pela oportunidade de usufruirem de competição real. Um set contra os "amigos" mais velhos da ESA, encarado como jogo a "feijões", sem a atitude competitiva desejável.  Sobretudo, vai faltando a esta equipa a chama que serve de rastilho para a tal atitude de prontidão e entrega efectiva durante o jogo, onde assentam todas as ferramentas técnicas e tácticas . Continuamos à espera desse grito de união e exaltação espontânea dentro da equipa. Vitória contra a Escola Ginestal Machado (Santarém) e o alerta de que existe muito trabalho a fazer em termos de equipa. 

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Videos do jogo de treino CVOeiras x AE Alcanena

Jogo realizado no dia 16 de DEzembro e 2016

1º set faltam alguns pontos iniciais (tempo de montagem da câmera)
1º e 2º set foram cortados todos os tempos mortos entre pontos
no 3º set foram cortados quase todos os pontos mortos. A partir do minuto 6/7 o programa bloqueou (não consegui fazer mais cortes)

Ainda falta 4º set

Para verem e fazerem a  análise do vosso desempenho...sem palavras, apenas com imagens...


1ºset

 2ºset

 3ºset

domingo, 25 de dezembro de 2016

ESAVolei Natal 2016

Teve lugar no passado domingo, o ESAVolei Natal 2016 que contou com a presença de 150 atletas e 18 equipas (4 de Infantis/iniciados masculinos; 6 de Juvenis masculinos e 8 de Juvenis femininos). Clubes presentes: Lousã VC, S.L Benfica, Sprt Caldas, Colégios do Sagrado C.M. de Fátima e Lisboa, Colégio de S. João de Brito, Marinhense, Martingança e AE Alcanena. Um dia de Voleibol com jogos de manhã até à noite. Os objetivos em termos organizativos foram cumpridos, quer em termos de participação quer na lógica que esteve na génese deste projeto, facultando às nossas equipas inseridas no quadro do desporto escolar, poderem usufruir de jogos com equipas do contexto federado. Em termos competitivos, a nossa equipa de Juvenis  Masculinos obteve o 1ºLugar, com vitória nos 4 jogos disputados (2 contra benfica B e A (um na fase de grupos, o outro nas meias-finais), 2 contra sporting das Caldas ( na fase de grupos e  na final voltámo-nos a encontrar). Para terminar em beleza, ainda tivemos direito a um jogo de treino contra a velha guarda do AEAlcanena (os juniores/seniores) com vitória para os mais novos por 2 - 0 . 
Um agradecimento especial a todos os voluntários que enquadraram esta atividade e que prescindiram do seu descanso domingueiro para ajudar a colocar de pé este ESAVolei. Agradecimento à Câmara Municipal de Alcanena, ao agrupamento de escolas de Alcanena e ao Intermarché por terem contribuído para a viabilização da atividade. Um agradecimento final a todas as equipas que se disponibilizaram a vir até Alcanena e teram feito deste ESAVolei Natal uma festa ...do Voleibol. Até p'ró Ano!


ESA - 1ºLugar
Sporting Caldas - 2º Lugar
Benfica A - 3º Lugar

Lousã - 4º Lugar

Martingança - 5º Lugar

Benfica B - 6ºLugar



Jogo de treino com juvenis do Clube de Voleibol de Oeiras

Jogo de treino dos juvenis masculinos de Voleibol com equipa do CVO (clube de Voleibol de Oeiras). Na 4º feira à noite fomos a Oeiras para defrontar a equipa de Juvenis federada do CVO. Um bom treino com vitória para o CVO por 3-1, que serviu mais uma vez para tentarmos afinar as competências em todas as fases do jogo, neste período de construção da equipa. Jogo até às 21.15h, com sobremesa no Mac a trincar uns calóricos menus . Chegada a Alcanena às 0.30h . Um agradecimento ao treinador Miguel pela disponibilidade e por nos ter recebido tão bem em sua casa. No próximo domingo jogaremos mais, no nosso torneio ESAVolei Natal. Em breve colocaremos videos...



Primeiro Concentração do campeonato do Desporto Escolar

1ª Concentração da fase distrital de voleibol de juvenis masculinos que decorreu na Escola Secundária Ginestal Machado em Santarém. Dois jogos realizados: ESAlcanena (Juvenis) x Ginestal Machado(Juniores) vitória da ESA por 3x0; ESAlcanena x EScola S. Jacome Ratton (Tomar) ambas juvenis, vitória da ESA por 3x0.



segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Início do ano competitivo em fim de semana de Jornada dupla: Lousã + Benfica



Análise da prestação da equipa nos 2 dias de voleibol:
1º Dia na lousã os objectivos seriam a implementação do 5:1 em competição com todos os jogadores (ou quase todos). Tínhamos saído de uma breve pincelada contra a "velha equipa da ESA" e na Lousã seríamos testados em situação de jogo real.
As dinâmicas funcionaram muito bem para a primeira aparição. Contávamos dentro do campo com a presença da experiência  do Zé, que apesar de limitado pelo entorse feito nessa semana, garantiu ao profe que não tinha qualquer dor e entrou em campo, mesmo a meio gás, para ajudar a rapaziada a perceber melhor a "matemática" da coisa. Algumas confusões pelo meio, mas a maioria ficou ciente das movimentações inerentes às funções. 
2º dia, pretendia-se jogo num ambiente interessante e emblemático. Poder-se-ia ter ganho o 4º set e saído com um empate, mas deu-se prioridade à rotatividade dos jogadores, que nesta fase de treino é fundamental.
Malaca e João, bem na alternância Distribuição/Universal, preocuparam-se em variar zonas de ataque e dar jogo a todos os "pistoleiros". Falta ainda mais consistência na qualidade do passe de ataque em situação de Stress competitivo, mas os dois dão garantias a curto prazo (com o treino específico de distribuição semanal), que essa consistência irá aparecer. Ambos terão de continuar a treinar remate e bloco, para serem opção ofensiva na oposição, ou na entrada (no caso do Malaca). João precisa de melhorar em termos de "arcaboiço" competitivo e não se deixar afectar pelo erro anterior; O erro faz parte do processo, tem de ser aceite como tal e avançar de forma positiva para o momento seguinte do jogo. Investimento na recepção para ambos.
Cláudio, o volume de treino muito maior este ano, será um factor decisivo no seu desenvolvimento técnico. Com um dos remates mais agressivos que temos na equipa, poderá ser um excelente jogador de entradas, caso consiga em jogo, a consistência que tem em treino. A competição ainda é um factor de stress grande que limita algumas das suas acções. Melhor na recepção e defesa (safou umas bolas bem difíceis), precisa de melhorar muito o serviço em termos de agressividade e regularidade. No sistema 5:1, vimo-lo perdido muitas vezes nas movimentações da equipa. Precisa de ganhar mais força explosiva no momento da impulsão para ter mais margem de erro.
Eric, excelente atitude competitiva, sem medo de falhar nos momentos decisivos do jogo. Falta claramente um trabalho físico para que a sua estrutura consiga ganhar estabilidade e posterior explosividade; esse treino físico tem de ser levado a sério com empenhamento e disciplina, uma vez que condicionará toda a progressão enquanto atleta. Recepção e defesa aceitáveis, mas para serem boas têm de ser trabalhadas.
Sampainho, altamente explosivo (pikolin nos pés), falta consolidação da técnica base do remate (saída inclinada à frente ; fora do ponto de batimento; timming de saída frequentemente errado)  Recepção aceitável, mas com margem grande de melhoria. Ainda perdido no meio das movimentações do 5.1.
Alexandre, tem  de  melhorar significativamente a maioria dos aspectos técnicos do jogo (recepção, defesa e ataque), apesar de notórias melhorias em relação ao ano passado. O fundamento base do enquadramento e estabilização debaixo da bola para a execução de todos os gestos técnicos, será vital para a prestação futura, num escalão de juvenil onde as bolas andam um pouco mais rápido.  A distância entre a sua prestação e a dos restantes ainda é relevante e implica um trabalho extra se quiser acompanhar o comboio...
Bruno depois de um ano de voleibol junto de uma equipa em final de ciclo e com outro nível técnico ,  ganhou  estaleca em termos competitivos: bate com mais força, serve flutuante difícil de receber , embora ainda algo inconsistente em termos de eficácia (algumas bolas na rede). Precisa de melhorar claramente recepção (atenção ao deslocamento e plataforma na manchete) e na saída prematura para o remate (batimento atrás da cabeça). Outro trabalho fundamental a fazer será no sentido de ganhar explosividade (muito treino pliométrico), pois encontrará "paredes" altas para superar. Assume-se como um bom blocador, acção que melhorará, quando ganhar mais molas.
Tira-Picos não compromete, percebe movimentações, pode jogar a central (bloca bem) ou a universal (já teve essas funções há uns anos) , remata, serve e defende de forma aceitável e as eventuais carências técnicas existentes, têm por base 2 factores fundamentais: a velocidade de deslocamento e o facto de não ter conseguido apanhar o comboio da equipa anterior de forma regular nos dois últimos anos. Será um elemento fundamental nesta equipa, em termos de ambiente de grupo e de conhecimentos gastronómicos...
, um jogador de voleibol com 6 anos de prática apaixonada, fez apenas o primeiro jogo do torneio porque o prof já não foi na conversa no 2º e deixou o seu entorse a repousar. Está a integrar-se na sua "nova" equipa da melhor forma. Dando o seu contributo  para que os petizes em início de carreira, aprendam com as suas ferramentas de jogo, que estão claramente num outro patamar. O seu objectivo escolar será conseguir o feito da vitória num 3º regional, tarefa difícil, mas que exige que se consiga puxar pelos colarinhos a rapaziada para o andar superior. A continuidade do seu desenvolvimento enquanto jogador passará pelo treino misto escola/federado.
Nuno, excelente atitude competitiva; focado no jogo, defende bem, salta muito, remata e mergulha quando é preciso safar bolas difíceis. Tudo isto é um bom ponto de partida enquanto potencial de atleta promissor, mas falta o fundamental: o treino regular e esperado...nós continuamos à espera...que troque a playstation pela bola amarela e azul  
Os 2 jogadores que participaram no jogo de domingo:
Tomás, com as limitações horárias que tem por estudar numa outra escola, tenta acompanhar o barco com o treino de 4ª e um caseiro de fim de semana. A essa limitação relevante, acresce o desenvolvimento físico  próprio do facto de ser o mais novo da equipa, com um tempo de crescimento que speramos que possibilite chegar ao topo da rede em breve. Apesar dessas limitações, tem boa  atitude competitiva . Tem de melhorar os índices de força (para conseguir passar longe), e continuar a desenvolver a sua técnica nos vários gestos de jogo. 
Morais, está a treinar mais este ano, o que se refletirá a médio prazo na sua técnica de base. Tem, várias lacunas técnicas em alguns aspectos do jogo (recepção é o seu grande calcanhar de aquiles) que se prendem sobretudo por questões de avaliação do tempo e espaço da deslocação da bola e equilíbrio corporal debaixo da mesma. Salta muito, mas enquanto não conseguir envolver bola com a mão, o seu ataque sairá sempre fortemente condicionado. A competição gera-lhe ainda um stress excessivo, limitador das suas acções em campo. Bom blocador.

Em suma, muito trabalho árduo pela frente para fazer desta heterogénea equipa, que abrange 4 escalões num só, uma equipa na verdadeira acepção da palavra: um grupo em que todos puxarão de forma inteligente e empenhada para o mesmo lado. 




Report no Facebook:
"Fim de semana de jornada dupla para a "nova" equipa juvenil do Agrupamento de Escolas de Alcanena. Hoje (Sábado) fomos à Lousã para disputar 2 jogos, um contra a equipa Juvenil/Junior da ES Viseu e outro com a equipa Juvenil da Lousã. Uma jornada que visava sobretudo colocar em prática um novo sistema de jogo, com as dificuldades inerentes a esta "novidade táctica" e à integração dos jogadores mais novos junto dos mais experientes, ou vice-versa. Apesar do resultado não ter grande relevância nesta fase de teino e experimentação, ficámos com uma vitória frente aos de Viseu e uma derrota perante os da Lousã. Pela dinâmia competitiva deixada em campo , saímos destes dois jogos com a sensação clara de que o processo está bem encaminhado...rumo às próxima jogatanas. Um agradecimento ao nosso parceiro habitual,a Junta de freguesia de Bugalhos, pela cedência da Carrinha e aos pais Carlos e Nuno pelo acompanhamento da equipa. Uma palavra também para o Carlos Miguel e Bruno Cadima que nos ajudaram no trabalho logístico de campo (video e arbitragem). Amanhã vamos ao Benfica...e depois dizemos qualquer coisinha...
No sábado estivemos na Lousã, no domingo fomos jogar ao pavilhão da luz, respondendo ao convite para participarmos na apresentação da equipa do benfica perante o seu público. Mais uma oportunidade para a rapaziada jogar voleibol, num palco imponente, contra uma equipa que já conhecíamos do ano passado e que já nos tinha já recebido bem. Em termos de resultado, derrota por 3-1 , com o 4º set a ir parar aos 29-27, fugindo-nos o empate por pouco e deixando emoção até ao final. Uma boa jornada de treino, que serviu para dar jogo a todos os jogadores de forma equilibrada e repartida. Obrigado à treinadora Paula Domingues pelo convite, à junta de freguesia de Bugalhos pela disponibilzação da carrinha e ao reptente pai Carlos, que participou na jornada dupla da equipa. Referência também à claque "Malaca's team e adjuntos" pelo apoio efusivo ouvido na bancada... EEEESA."

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Participação no Summer Cup 2016

Balanço Final do summer cup 2016 - equipa de Iniciados Masculinos da ESA. Uma experiência rica para estes jogadores na sua 1ª participação no torneio internacional da Lousã e onde estiveram presentes mais de 120 equipas de vários países diferentes. A nível competitivo, o 3º lugar obtido num universo de 9 equipas deste escalão/género, espelha a prestação desta equipa, revelando ao longo do torneio, um desempenho crescente em termos de maturidade e focalização no próprio jogo. Realizaram 9 jogos em 5 dias de competição, entrecortados por festas nocturnas e muito convívio nas “banhocas” das piscinas fluviais da região. Fica na memória, entre muitos momentos de jogo, o frenético 1º set contra a equipa da Académica de S. Mamede “A” a terminar aos 37-39 e onde a rapaziada se agarrou aos “colarinhos” do jogo sem largar ; ou a fabulosa meia final com a equipa de Ala de Gondomar (vencedora do torneio), que teve de suar para nos ganhar e chegar à final. Para além da vertente competitiva, a ida à Lousã, representou uma experiência única da rapaziada no convívio e na interculturalidade com equipas de vários pontos da europa, sobretudo as várias equipas femininas espanholas (???)…munidos de um tradutor com alguma desenvoltura no vocabulário castelhano. Ao nível de postura dentro e fora do campo, de realçar o comportamento irrepreensível destes jogadores (cumprimento de horários, cumprimentos das normas estipuladas e respeito por todos os intervenientes), deixando a imagem de uma equipa “boa onda” e a certeza de que o grupo está conseguido; não foi em vão que arrebataram muitas vezes para o seu lado as claques “espanholas” e lusitanas presentes nas bancadas. O torneio terminou na mesa da hamburgueria em frente à televisão, a comemorar a vitória de Portugal no Euro. Um agradecimento ao Miguel Malaca pela forma competente como ajudou a enquadrar esta equipa ao longo do torneio, assumindo-se como um elo cada vez mais importante dentro deste projecto. Um agradecimento à Junta de Freguesia de Bugalhos pela cedência da carrinha e por continuar a ser esse parceiro fundamental para o desenvolvimento dos nossos grupos.. Para o ano há mais…